Conquiste Vulcões: As Melhores Trilhas no Atacama

0
317

Como gigantes adormecidos que um dia abriram mão de sua fúria para entrar em uma longa letargia, os vulcões próximos a San Pedro de Atacama têm um magnetismo difícil de descrever. Os ancestrais incas desta região escalaram todos eles durante o ritual do Inti Raymi (solstício de inverno) para estarem um pouco mais próximos de seu Deus mais reverenciado: o Sol. Hoje, os vulcões representam desafios físicos e mentais para os amantes do trekking e da natureza. Aqueles que chegaram às crateras comentam que o esforço vale mais do que a pena e sentiram algo especial lá em cima…


1. VULCÃO LÁSCAR

Lascar

Láscar tem personalidade própria, eu diria que é o vulcão mais orgulhoso da região, não só por causa de seus imponentes 5.600 metros, mas também porque é o único vulcão que permanece ativo no norte do Chile. Sua cratera fumegante serve de alerta para todos os montanhistas que pretendem desafiá-la. Se você vai atacá-lo, faça isso com desejo e convicção.

[banner name=”plan-perfecto-3-dias”]

Sua localização, a apenas 70 quilômetros ao sudeste de San Pedro de Atacama, também o torna um destino acessível com uma rota de pura paisagem atacameña que culmina aos pés da bela Laguna Lejía, um lugar onde o Láscar se eleva desafiadoramente. A caminhada começa a uma altitude de cerca de 4.900 metros em uma subida que dura entre 3 e 4 horas. Tanto tempo para superar uma diferença de altitude de 700 metros? Sim, amigos de caminhada. O terreno arenoso íngreme e a escassez de oxigênio nessa altitude testarão suas pernas e habilidades.

Se você bater o pulso de Lascar, as vistas de uma cratera de 750 metros de diâmetro e 300 metros de profundidade esperam por você, a entrada para o inferno em si que irá recebê-lo com um forte cheiro de enxofre… Por outro lado, a visão oposta lhe parecerá ser a do paraíso.

Para mais informações sobre a subida ao vulcão Láscar, clique aqui.

2. VULCÃO SAIRECABUR

sairecabur-ok

O mais tímido e desconhecido devido à sua localização remota na fronteira entre o Chile e a Bolívia. É o mais alto de uma cadeia de 4 estratovulcões muito próximos: Curiquinca (5.722 m), Escalante (5.819 m), Cerro Colorado (5.728 m) e Sairecabur que reina entre todos eles com 5.971 m.

Após duas horas de carro de San Pedro de Atacama, a caminhada começa em suas encostas com partes feridas pela lava que um dia vomitou. Para chegar ao cume são necessárias entre 5 e 6 horas de subida dura. No topo, um tesouro escondido nos espera: uma lagoa na própria cratera e vistas panorâmicas que você não poderá esquecer e que terá gosto de glória após o esforço. Respire forte, você já tocou 6.000 metros sem estar em um avião?

Para mais informações sobre a subida ao vulcão Sairecabur, clique aqui.

3. CERRO TOCO

Toco-OK

Apesar do rótulo que lhe foi dado como “Cerro”, Toco é na verdade um vulcão adormecido que hasteou a bandeira da paz há mais de mil anos e sua forma é mais parecida com uma colina do que a clássica de um vulcão. Mesmo assim, suas entranhas testemunham o fogo que um dia o abrigou, já que até 20 anos atrás o enxofre era extraído dele e as instalações de mineração ainda são reconhecíveis.

[banner name=”san-pedro-general”]

El Toco tem uma identidade bem definida e é reconhecida por todos os habitantes locais por ser a mais próxima de San Pedro de Atacama, a apenas 60 quilômetros de distância. A subida começa a uma altitude de 5.000 metros e a partir daí você tem que superar os 600 metros restantes até seu cume, um esforço no qual você tem que investir entre 2 e 4 horas, dependendo de sua capacidade física e dos efeitos da puna no corpo.

Durante a subida na maior parte do ano é possível ver os chamados penitentes, grandes agulhas geladas que são geradas naturalmente como resultado da sublimação (o gelo passa de um estado sólido para um estado gasoso, pulando o estado líquido). O cume lhe dará uma perspectiva do deserto que você não suspeitava. Como estar em Marte, mas cercado por picos cobertos de neve.

Para mais informações sobre a subida ao Cerro Toco, clique aqui.

4. VULCÃO LICANCABUR

Lincacabur

Majestoso. Um cone perfeito e um dos vulcões mais fotografados do Atacama, é o desafio que propomos ou aqueles que aspiram ao mais alto em altura (5.920 m.) e complexidade técnica. A verdade é que é preciso um bom esforço para vencer esse titã da rocha, já que a subida se dá em trilhas cheias de pedras soltas com uma inclinação significativa. Boa condição física, paciência e atenção são necessárias.

Recomendamos dividir a caminhada em dois dias para que o corpo se beneficie de uma aclimatação que será muito necessária. Uma boa opção é dormir por uma noite no refúgio Laguna Blanca (4.300 metros), de onde é possível explorar as encostas do vulcão Juriques em preparação. No dia seguinte, antes do nascer do sol (empacote o máximo possível), e depois de um bom café da manhã, você tem uma subida íngreme de entre 7 e 8 horas até o lábio da cratera à sua frente. Assistir ao nascer do sol durante a caminhada já é uma experiência quase religiosa, um momento mágico que vai durar na sua memória tanto ou mais do que quando chegar ao topo.

A cratera do vulcão esconde uma lagoa de meio hectare com uma profundidade estimada de 6 metros. Não é qualquer coisa, o lago nas profundezas do Licancabur é o quinto mais alto do mundo. Se você chegou até aqui, pode agradecer aos Apus, os deuses das montanhas, por permitirem que você aproveite o espetáculo de 360 graus diante de você.

Para mais informações sobre a subida ao vulcão Licancabur, clique aqui.

Lascar_summit
Cratera do vulcão Lascar

Se você achou este artigo interessante, nos dê o presente e siga-nos no Instagram e Facebook! Seja o primeiro a ver artigos semelhantes sobre turismo e atividades ao ar livre!

Você conhece outros topos de vulcões no Atacama? Comente este artigo abaixo!

[banner name=”salar-de-uyuni”]

Ficou interessado neste artigo? Recompense-nos com 5 estrelas!

[ec_stars_rating]